XENOBLADE CHRONICLES

Quando boa parte do mundo era apenas Oceano, duas divindades travaram uma guerra bélica, um nível acima do mar. Enquanto uma divindade era composta por terras férteis, a outra era caracterizada como “Deus máquina” por possuir estruturas mecânicas.

A batalha entre ambas é cessada, quando as gigantescas espadas se colidem e suas estruturas colossais se perecem silenciosamente em meio ao nimbo. Anos depois, seus corpos se transformaram em continentes nomeados Bionis & Mechonis para abrigar civilizações. Consequentemente, seus descendentes herdaram o mesmo carma se enfrentando em memória de suas etnias, divindades e ancestrais para desvendar os segredos de uma espada lendária chamada Monado.

Utilizando a relação destrutiva entre o homem e a máquina como pano de fundo, este é o enredo brilhante do novo projeto da Monolith Software (responsáveis por Baten KaitosDisaster: Day of Crisis), que em 2009 foi anunciado na E3 em forma de um trailer promocional à mídia especializada.

O vídeo que mostra uma espada semi futurista combatendo criaturas e robôs gigantes, a primeira vista foi encarado como um genérico jogo de aventura e exploração em terceira pessoa.

Até que em Janeiro do ano retrasado, o J-RPG foi renomeado de Monado: Beginning of the World. (Princípio do Mundo) para Xenoblade. Já vimos de tudo na indústria dos jogos eletrônicos, mas nunca, que a mudança de nome de um título, revertesse o sentimento de descrença em um dos jogos mais aguardados do Wii; senão um dos produtos mais raros de se encontrar nas redes de varejo.

Depois de alguns anos, um ‘port’ em 3D foi lançado para o modelo New Nintendo 3DS e uma versão digital do Wiifoi disponibilizada no Virtual Console do Wii U via eShop.

Alguns anos mais tarde, uma edição definitiva em alta definição foi remasterizada para o Nintendo Switch.

Responsável pelos sucessos Xenogears & XenosagaTetsuya Takahashi é quem assina a direção do jogo. Apesar da semelhança entre os nomes, o universo de Xenoblade não tem relação alguma com os outros jogos da série consagrada e segundo Takahashi, o nome Xeno quer dizer “natureza única” para designar as suas criações como uma marca registrada.

Por Cayo Eduardo. (Equipe BIG BOY GAMES)

Um mundo vivo em grande escala.

O primeiro aspecto que salta aos olhos do jogador é a dimensão do mundo extenso em que Xenoblade Chronicles se aprofunda, visualmente. Aqui não existe aquela falsa ilusão dimensional, onde cada ambiente imenso na aparência, obriga aos jogadores seguirem pela linearidade.


Os corpos das divindades se transformaram em continentes geográficos para livre exploração do jogador compõe uma atmosfera que vai da singularidade de qualquer J-RPG da época. A ponte entre ambos é feita através de suas espadas gigantescas, incluindo à expedição desde os pés até a parte interna do corpo dos deuses, onde a Fantasia e a Ficção Científica se harmonizam.


Ao contrário dos ambientes genéricos, a direção de arte das paisagens paradisíacas que compõem as estruturas colossais é sublime, a começar pela ambientação da província Sword Valley. É difícil acreditar que um jogo com esta amplitude tenha sido concebido às limitações do modesto hardware do Wii, em comparação aos RPGs dos consoles HD da concorrência.


A edição remasterizada do jogo conseguiu ficar ainda mais bonito no Nintendo Switch, com personagens redesenhados em Cel-Shadded, cores vívidas, aplicação da técnica de Draw Distance para dar a devida sensação de profundidade tridimensional e expansivo que o jogo de estreia já tinha.


Porém, o qualidade visual do game cai drasticamente quando é jogado no modo Portátil à exemplo do que acontece em Xenoblade Chronicles 2 e a sua aventura adicional – Torna: The Golden Country. Da mesma forma que no modo Dock, inexplicavelmente em alguns momentos, a resolução dinâmica do RPG recai para 378p!!!


As mudanças climáticas que também acontecem em tempo real, alteram não só o campo de batalha como as ações dos personagens e circunstâncias.


SHULK é o protagonista de Xenoblade Chronicles: Definitive Edition. Além de estudar a existência da lendária espada Monado, sua determinação é caçar os saqueadores que destruíram parte de sua aldeia, conhecida como Colônia 9 ao lado de seus amigos Fiora, Reyn e outros futuros comparsas.

Cada um deles se encaixa em uma das três diferentes categorias: DPSHealers ou Tanks. Abreviado como “Danos Por Segundos”, os DPS causam mais danos nos inimigos, porém não possuem uma resistência tão forte quanto os Tanks, que são peritos em atrair a atenção dos Mechons e especialmente, na arte da esquiva. Os guerreiros Healers são especializados em curar/ reviver seus aliados desmaiados. Para isto, basta pressionar o botão A quando estiver próximo de seu aliado.


Com poucas telas de loadings quase que imperceptíveis nos momentos de transição entre as batalhas e exploração, os Side-Quests misturam os conceitos de combate dos melhores MMORPGs com um sistema de batalhas similar à Final Fantasy XII. (PS2), em que os guerreiros desferem os ataques automaticamente e recuam entre os intervalos para recarregar seus golpes e técnicas de espadas de curto e longo alcance, que gradativamente transformam-se em especiais devastadores.


Durante a épica jornada as skills dos personagens podem ser melhoradas através do uso de Gems – esferas especiais criadas pela coleta de itens. Depois que seus golpes se tornam indisponíveis durante um tempo  e finalmente são recarregados, você pode selecionar uma dentre as três habilidades especiais (Arts):- ofensivas, defensivas e suporte à equipe.


Certos golpes surtem mais efeito, dependendo da posição que os personagens estiverem dos seus oponentes.


Os inimigos são visualizados no mapa e as batalhas acontecem em tempo real. Um dos recursos denominados Afinity System que funciona como um sistema de vínculos, faz com que os protagonistas participem de side-quests opcionais e criem um elo de amizade com outros personagens controlados pela inteligência artificial do jogo.


Inclusive, a escolha pela execução das técnicas apelidadas de feitiços e ações destrutivas (Arts) em equipe, resulta em 15 devastadores ataques consecutivos depois que o jogador escolhe uma das oito habilidades especiais de cada guerreiro/ personagem. Ambas podem ser trocadas para se adaptar a um estilo de luta.

Uma quest completada pode alterar a percepção, o caráter e outros aspectos presentes nas cidades visitadas por SHULK e seus comparsas, adicionando um script de acontecimentos inusitados ao jogo. Para reagir ou impedir que maiores catástrofes aconteçam, os jogadores contarão com um Sistema de Visões para prever os futuros ataques de seus inimigos através de vislumbres visuais.

A premissa de Xenoblade Chronicles: Definitive Edition exige que o jogador tenha muito tempo para se entregar ao conteúdo extenso. Os itens colecionáveis, as missões “extras”, os achievements adicionais e os pontos de experiência estimulam a explorar áreas revisitadas, estendendo a durabilidade do jogo, que se perdura por mais de 100 horas contínuas.

A customização dos personagens permitem que as armas, armaduras, botas, figurinos, capacetes e outros acessórios sejam modificadas, afetando a sua aparência e habilidades.

Ao contrário dos comandos simplificados com o suporte para Control Classic-PRO do Switch, a quantidade de menus e opções de tela podem intimidar os jogadores menos experientes no início da aventura:-

*Botão B – Executa os saltos/ Inicia o combate.

*Botão A – Conversar com os NPCs.

*Botão ZL pressionado – Possibilita alterar os ângulos de visão e Zoom com o direcional digital e com os botões A (aproximar) ou B (afastar) ou Z (voltar a câmera atrás do personagem).

*Botão Y – Dá acesso ao Mapa.

*Botão X – Menu primário formado por mais de 5 opções:- Change Equipment. (Mudança de Equipamentos),  Items/ Collectables. (Baú para guardar os itens coletados e colecionáveis), Skills Trees. (onde cada guerreiro possue uma árvore genealógica formada por três galhos:- Senso de Humanidade, Integridade e Intuição), Arts. (habilidades formadas pela categoria de cada guerreiro, barra de danos, esquivas, tempo de carregamento dos ataques e evocação dos feitilços e outros atributos psíquicos), Party Gauge. (barra de energia para o sistema de vínculos entre a equipe), Journal/ Quest Log. (jornal de side-quests para checar as atualizações, missões “extras” novos desafios e informações), Change Time. (Meteorologia/ Mudança de Tempo). 

*Botão + (mais) System Menu. (Menu do Sistema básico para Salvar o progresso do jogo, Load, Modo Expert, Tutoriais, Opções de jogo e Tela-título). 

Trilha sonora memorável ao pé do ouvido.

Os acordes de pianos, violinos dramáticos, tambores tribais e outros instrumentos clássicos intensificam as composições assinadas por Yoko Shimomura, Yasunori Mitsuda e a banda Ace+ (responsáveis pela trilha de Kingdom Hearts, Grandia e Chrono Trigger) com a mesma inspiração e veracidade das belas paisagens cada vez que as minúcias do mundo aberto se aproximam dos seus olhos.
O trabalho competente de dublagem das vozes em Inglês (britânico) que intensificam as batalhas ou que dão Vida ao enredo durante as cenas não interativas é louvável. Como na versão europeia do jogo original, é possível escolher o áudio em japonês e as legendas em Inglês, Espanhol, Francês e até Italiano.

 

XENOBLADE CHRONICLES ainda redefine o gênero. 

Monolith Software fez o que nenhuma produtora tentou com os RPG’s da terra do sol nascente durante os últimos dez anos:- eliminando todas as convenções ultrapassadas para redefinir o gênero com criatividade. Reconstruído por um inteligente sistema de batalhas instigantes em tempo real, mundos fabulosos e um enredo primoroso; Xenoblade Chronicles é sim, um dos melhores J-RPG’s da sétima geração que merece ser contemplado por muito tempo. E ainda continua sendo durante o quinto ano de ciclo de vida útil do Nintendo Switch.

E mais: a Monolith Software conseguiu estender o que já era expansivo, adicionando Xenoblade Chronicles: Future Connected – Uma espécie de capítulo extra balanceado por uma narrativa que ocorre um ano depois dos eventos do aventura principal, removendo algumas mecânicas desnecessárias para adicionar outras para refinar o sistema de gameplay com maestria!

Gráficos = 9
Direção de Arte = 10
Som e Efeitos Sonoros = 9
Controles = 9
Diversão = 9
Desafio = 10
Criatividade = 9
Movimentação e Fluência = 8
Longevidade = 10
Média = 9,8