A redenção ou re-educação na arte de jogar?

Não é de hoje que alguns títulos produzidos ou publicados pela Nintendo não veem a luz do dia no ocidente. O excêntrico e controverso jogo de aventura “Captain Rainbow”, “Fatal Frame IV: Mask of the Lunar Eclipse” e o cartão de visita da Monolith Software “Disaster: Day of Crisis“ após ser comprada pela companhia japonesa – só caíram no esquecimento de Reggie Fils-Aime – o “Big Boss” da Nintendo americana, enquanto a frustração ainda pairava sobre a mente dos fãs decepcionados.

Como forma de se redimir, SIN AND PUNISHMENT 2: SORA NO KOKEISHA (Successor of the Sky ou Star Successor) é a prova de que apesar da Nintendo ter expandido os nichos de mercado no atual modelo de negócios sustentável em 2009, e como uma estratégia mercadológica de negócios ter utilizado a ruptura para fazer crescimento a indústria dos videogames; a mesma ainda se manteve fiel aos seus fãs e jogadores tradicionais, mesmo que declare ser contra a segmentação de público por gêneros dos jogos.

Por Cayo Eduardo. (Equipe BIG BOY GAMES)

Com o Wii atingindo a sua base instalada, parece que a filosofia “É do básico que se aprende a proporcionar diversão para todos e não só para alguns“ tem servido para educar os não-jogadores através dos jogos sociais, para depois inseri-los aos games de vanguarda.

Basta observar quantos títulos destinados a este público classificado como “hard-core”, estão entre os que formaram a tríade da Nintendo em 2009 (vide – Super Mario Galaxy 2, Metroid: other M e o The Legend of Zelda: Skyward Sword).

E por esta razão, que as continuações de suas maiores franquias não só são reconhecidas como games universais, senão entretenimentos atemporais! Ou vai dizer que você nunca pegou um clássico da Big N com mais de quatro anos de existência pra jogar?… De novo… E de novo.  E de novo.

A cada meio segundo no universo do entretenimento é criada uma nova tecnologia com o único foco excessivo em ser a melhor. Mas e a resposta do que fazer com essa tecnologia? Grandes jogos que nos remetem a relembrar que o universo dos videogames teve um passado.

A empresa Treasure sempre foi rainha dos jogos explosivos que transpiram ação ininterrupta e muita adrenalina em forma de apoteoses audiovisuais, e Sin (pecado) and Punishment (punição) 2 zela por esta reputação.

A continuação do inovador game de tiro criado por Masato Maegawa (presidente da Treasure), que na época foi lançado no dia 21 de Novembro de 2000; somente para o N64 em território japonês, liderou a avalanche dos games mais aguardados de 2009.

Máquinas mortíferas ou aeronaves sobre-humanas com cara de anjo.

Num futuro não muito distante, a Terra sofre com a superpopulação. Para amenizar ao menos o problema da fome, um grupo de cientistas inicia uma experiência afim de criar novas formas de Vida em laboratório, destinadas a alimentação. A caça se virou contra o caçador e esses seres famintos chamados de Lufians, também precisam se alimentar. O paladar predileto? Humanos, é claro!

Uma mulher enigmática que atende pelo nome “ELA”, é a peça principal por trás do projeto “Defensores da Terra”, um esquadrão formado por dois soldados mirins com traços andrógenos, inocentes de rosto e sagazes na ação!

Porém, as habilidades de Saki e Airan.(protagonistas do primeiro game, que na época só foi lançado ao território japonês) não foram suficientes para extinguir os Lufians. As criaturas querem repetir o prato – risos.

Se piscar, é Game Over!

Três coisas que você precisa saber: Sin and Punishment 2 é o melhor “shooter” tridimensional do Wii, é o game mais “hard-core” do console e um dos mais difíceis também! Daqueles que os saudosistas movidos a desafios e anos de jogatina, furiosamente, se espremem gritando todos os tipos de palavrões inimagináveis. Mas, que depois da missão cumprida, eles gritam ainda mais alto “Eu amo esse jogo!” À exemplo de Punch-Out!!!, Battalion Wars, Excite Truck, Golden Sun, F-Zero e PilotWings, Sin and Punishment é uma franquia que nem ao mesmo ganhou uma versão remasterizada no Nintendo Switch, que já completa 5 anos de ciclo de vida útil.

Pelo menos, existe uma forma de revisitar o cult no Wii ou na retrocompabilidade do Wii U. Sin and Punishment: Star Successor também foi disponibilizado em formato digital na eShop da plataforma. Portanto “colecionador”, procure por uma peça usada deste jogo e debulhe sem pestanejar!

Mova-se, corra, voe, neutralize, atira e se esquive: tudo ao mesmo tempo agora!

Neste “Shoot´n´Up” estilo arcade, a mecânica segue os padrões dos clássicos de tiro como “Star Fox”, porém com uma pequena diferença: ao invés de espaçonaves, você controla qualquer uma das duas crianças paranormais com o direcional analógico do “Nunchuk”.

Intuitivamente, enquanto a mira é controlada com o cursor do sensor de movimentos do “Wiimote”, o B representa o gatilho para fuzilar o alvo inimigo que estiver dentro da retícula.

Ao manter o botão A pressionado, um ataque especial é sobrecarregado e seu poder de ataque varia dependendo do personagem escolhido: enquanto a jovem KACHI trava a mira em milhares de alvos antes de disparar vários explosivos contra eles, ISA produz uma gigantesca bola de energia que devasta centenas de criaturas de uma só vez.

Apertando o “A” por diversas vezes seguidas, os personagens munidos por lâminas metafísicas, partem para um combate corpo-a-corpo através de uma sequência de golpes com mais potencia do que um disparo comum. E o mesmo ataque a curta distancia, rebate os mísseis e outros projéteis teleguiados, mandando-os de volta para quem os atirou.

Pressione o direcional analógico para um dos lados e aperte o Z para se esquivar dos tiros inimigos. Aperte o botão C usado como pulo para flutuar e sobrevoar extensos cenários em constante mutação, seja através do Jetpack de Isa ou Kachi em seu skate voador. Uma sutil homenagem aos clássicos: Space Harrier, REZ e Star Fox ou mera coincidência?

Os melhores momentos do “Grand Finale” estão nas eletrizantes batalhas contras os chefes de proporções descomunais, que deformam as estruturas arquitetônicas dos cenários e possibilita aos veteranos jogadores optarem por novas estratégias inteligentes de ataque e esquiva.

O mundo apocalíptico em espetáculo NON-STOP.

A progressão automática similar ao estilo “On-Rails” entre a eventual liberdade de movimentos exibem as melhores tomadas de câmeras de todos os tempos!

Os gráficos de SP2 são viscerais! Além de grandiosos, apresentam um majestoso nível de profundidade e efeitos visuais de arrepiar! Como seu predecessor, o design das fases explora ao máximo as peculiaridades do console da Nintendo.

Enquanto o show de efeitos, luzes e cores sobrepostas a cenários inspiradores em constante mutação atravessam a tela, uma caravana de inimigos e elementos se difunde simultaneamente, a perspectiva passeia por ângulos de visões vertiginosas: progredindo vertical e horizontalmente numa velocidade absurda, em posição lateral pegando carona na garupa dos melhores “shooters side-scrolling”, correndo pra fora da câmera ou em direção a ela até ficar de cabeça pra baixo! E tudo isso rodando a 60 frames por segundo!

A direção de arte assinada por Yasushi Suzuki & Hiroshi Iuchi (os artistas responsáveis pela excelente direção de arte de “Ikaruga”) transborda criatividade pelas beiradas da sua TV!

Destaque para a primeira parte do segundo estágio ambientado dentro de um gigantesco tubo aquático composto por engrenagens futurísticas; monstros, fungos, androides alados, algas marinhas e espectros que surfam nas ondulações cruzadas por dançantes feixes de luz!

Onde há explosão e fumaça, tem som no talo!

Indo do Trip-Hop à música eletrônica industrial, a psicodélica trilha sonora amplificada por melodias dramáticas e inflamados sons abstratos trabalham em sincronia e elevam sua jogatina ao estado de êxtase!

Como redefinir o gênero “Side-Scrolling Shooter 3D” a longo prazo?

Existem cinco maneiras de enlouquecer qualquer jogador que bate no peito jurando ser “hard-core”: a possibilidade de seu personagem adquirir “Power-ups” que fazem com que os danos e o efeito dos disparos se alterem, o suporte a todas as formas de controles existentes no Wii, a nostalgia em dose dupla do modo cooperativo para dois jogadores simultâneos, um modo online incrementado por uma tabela de ranking para que o jogador possa comparar seu desempenho com o de outros game maníacos; e por fim, um calculador que multiplica os pontos conforme o jogador elimina vários inimigos na sequência através do famoso sistema “Massacre botões”!

A punição é que o multiplicador de pontos será zerado cada vez que o seu personagem for atingido. Mesmo que o título seja aclamado como uma das maiores promessas do ano no Wii, não há pecado maior do que a Nintendo ainda não ter anunciado a data definitiva de lançamento americano; já que a versão japonesa foi lançada em 29 de Outubro de 2009.

De qualquer forma, Sin and Punishment 2 é um brinde a nostalgia pela volta dos games desafiadores sem tempo pra respirar, nos quais, nós jogadores, varávamos madrugadas a fio para as melhores pontuações a base de Coca-Cola mais “fast-food” com a fonte de energia do videogame pelando, calos nos dedos e olheiras com orgulho de ser jogador e assino embaixo. Tem insônia melhor que essa?

Gráficos/ Direção de Arte: 9

Som/ Efeitos sonoros: 9

Jogabilidade: 10

Diversão: 10

Single Player: 9

Multiplayer: 10

Média: 9