Olá Player’s!

Aqui quem fala é o Zero.

Hoje vou contar para vocês sobre uma aventura policial no futuro, em meio ao caos, cheio de ação, tensão, momentos frenéticos, lutas alucinantes e perseguições ao estilo velozes e furiosos.

E nome do astro de hoje é:

Astral Chain!

Pegou a piada? Astro de hoje, Astral Chain

Dos mesmos criadores de Bayonetta, Astral Chain é exclusivo do console que mais amamos – Nintendo Switch – e vem ao estilo hack’n’slash (corta e massacra, estilo de jogo que enfatiza o combate corpo-a-corpo). Ele é centrado na conexão do nosso personagem com uma criatura chamada Legion.

Nossa aventura frenética (não esqueçam disso) se passa no futuro, no qual o nosso planeta está sendo invadido por criaturas do plano astral e nós fazemos parte de uma divisão da polícia especializada em dar uma bela surra nessas criaturas.

Aqui podemos escolher entre dois personagens para controlarmos: um homem ou uma mulher (irmãos gêmeos na história).

Como uma bela surpresa para todos nós que estamos acostumados aos games “normais”, em Astral Chain não somos nós o protagonista da história, e sim seu irmão (ou irmã).

Falando nisso, vamos contar um pouco da história do game.

O ano é 2078, um futuro muito diferente do que desejamos: os últimos sobreviventes da humanidade vivem em uma ilha flutuante chamada “The Ark”, e para piorar, um meteoro atinge a Terra e espalha uma substância chamada de “Red Matter”.

Vemos Red Matter ao fundo da imagem

Este resíduo vermelho e invisível aos olhos humanos é extremamente tóxico ao contato, então não brinque com ele. Ele é capaz de transformar pessoas em criaturas descontroladas.

Como tudo ainda pode ficar pior, junto com a Red Matter o meteoro parece ter trazido também as “Chimeras”, monstros igualmente invisíveis que atacam e raptam pessoas (o povo aqui sofre).

Afim de dar um jeito nas Chimeras, a Polícia da The Ark criou uma força-tarefa especial chamada Neuron, da qual nós fazemos parte.

Como citamos acima, podemos escolher entre o filho ou a filha do capitão Maximilian Howard, e escolhemos o nome que quisermos para ele ou ela. O irmão que não for escolhido será nomeado como “Akira Howard”.

Nós utilizamos um dispositivo chamado Legatus Unit para capturarmos algumas Chimeras e transformá-las em Legions, uma espécie de companheiro de batalha (e aventuras, ao estilo dollynho seu amiguinho).

Mantidos sob controle graças à uma corrente nomeada como Astral Chain que conecta o usuário e a criatura, graças a essa conexão somos capazes de ver as Chimeras.

Jogabilidade:

Basicamente em Astral Chain começamos apenas com seu policial, que pode utilizar um bastão e uma pistola para atacar as Chimeras.

As batalhas se agitam (e ficam doidas de verdade) ao invocar o Legion para lutar ao seu lado com ataques poderosos.

O uso deles, no entanto, é limitado por uma barra de energia que determina por quanto tempo eles podem ficar em combate. Vale ressaltar que aqui nosso foco é o timing, os movimentos incríveis em sincronia são feitos ao apertar um botão no momento certo e não uma combinação de botões.

Temos cinco variantes diferentes para os Legions.

Sword, que oferece uma lâmina capaz de cortar inimigos e fazer picadinho deles.

Arrow, que ataca com flechas à distância (será que ganho mais pontos acertando o centro do alvo?).

Beast, que pode servir de montaria para se locomover (vamos nessa, Pé de pano).

Arm, que funciona como uma armadura (seja forte e estiloso).

Axe, que oferece um escudo de proteção (a defesa é o melhor ataque – ou seria ao contrário?).

Cada um tem uma jogabilidade diferente e podemos fazer upgrades em suas preferidas para deixá-las melhores e mais fortes

A Astral Chain, que mantém a conexão entre os personagens, não é apenas um enfeite. É possível usar a corrente para arremessar inimigos como um estilingue, pular de um ponto para onde seu Legion está, ou circular um inimigo para amarrá-lo temporariamente por alguns segundos.

Um fato importante é que o game conta com um modo cooperativo, no qual nós estamos como o protagonista e um segundo participante fica no controle do Legion.

Outro fator importante no game são as investigações e um mundo para explorar. Somos da polícia, lembra? Com isso, conversamos com NPCs para obter pistas e reconstruir cenas que teriam acontecido em um certo local.

Gráficos:

Graficamente falando, estamos em um mundo bem psicodélico, cheio de cores e formas para todo lado. Em contraste com uma cidade futurística cheia de outdoors e placas luminosas, o visual 3D está bem bonito e colorido, digno de animações japonesas.

Trilha sonora:

A trilha sonora, junto com o som ambiente, emprega bem o seu papel: não muito alta e nem muito baixa, ela não tira o foco do restante do jogo, mas se faz presente em todo ele.

Astral Chain é sem duvidas uma boa escolha de jogo por ter                  diversão, ação, aventura e uma pitada de monstros.

Isso é tudo, pessoal.

Boa jogatina para vocês player’s!
E até a próxima! Zero desligando.