Por Cayo Eduardo. (Equipe BIG BOY GAMES)

Uma das melhores aventuras do ouriço azul dos últimos 18 anos!

Absurdamente sagaz, dinâmico, veloz e direto ao ponto. Este é o Sonic que desejávamos, desde a sua estreia na aventura tridimensional de Sonic Adventures – clássico do Dreamcast, que mais tarde ganhou outras edições para o XBOX – Console de estreia da Microsoft na guerra dos videogames de mesa e o saudoso GameCube. Sem mais delongas, sem enredos com alusões à mitologia grega, asteca ou medieval, sem mutações escrotas e quinquilharias para encher linguiça. Por mais que tentassem enriquecem a série, os elementos irrelevantes que tentavam complementar à essência do personagem que se tornou um dos carros-chefes da SEGA em aventuras anteriores, resultavam em produtos finais bem abaixo da média.

Complexidade é o de menos para quem quer correr!

O enredo de SONIC COLORS ULTIMATE é paupérrimo, enxuto, sem enfeites e de verdade: combina perfeitamente com a dinâmica e proposta da aventura do ouriço azul que nasceu como um capítulo exclusivo do Wii e onze anos mais tarde, ganhou uma edição remasterizada para todos os consoles da atual e nova geração: Nintendo Switch, PlayStation 5, PS4, XBOX Series X-S e XONE.

O famoso vilão “Dr. Eggman” (ou Robotnik) construiu um parque de diversões espacial comporto por mundos temáticos para raptar alienígenas nativos chamados de Wisps, usados como cobaias de laboratório em prol do trabalho escravo, ponto.

Cada mundo temático, que é parte do gigantesco parque de diversões, contém de oito a dez ou mais fases com um chefe representado por cada comparsa experimental de Robotnik a ser vencido para habilitar a próxima galáxia.

Aprimorando o que sempre fizeram de melhor.

De praxe, a bela animação feita em CGI que introduz dos fãs para a convidativa atmosfera do game, abre alas para o próximo espetáculo domado pela fantasia, sem economizar na criatividade!

Utilizando a mesma “engine” e a mesma dinâmica das fases diurnas de Sonic Unleashed, a SEGA provou que apesar de ter cometido alguns deslizes conceituais na franquia (por inventar demais, sem cacife para bancar os excessos, aperfeiçoou seu notável talento na arte de criar um belo design de fases surreais que fogem dos cenários tradicionais da série, mas que provém do mesmo capricho pela riqueza de detalhes e elementos futuristas ao fundo e estruturas que condizem com um autêntico festival carnavalesco de cores e alegorias psicodélicas em profusão!

Em seu jogo de estreia, um dos visuais mais caprichados do Wii ludibriava os nossos olhos com cassinos dantescos que sobrevoam o espaço, exuberantes templos alagados que refletem a arquitetura com dragões e estátuas chinesas, um açucarado mundo feito de doces, dentre outros ambientes que se misturam inesperadamente.

O game já contava com um dos melhores visuais do console de natureza diferente da Nintendo. Em alta resolução ficou melhor ainda em todos os atuais consoles: Nintendo Switch, PlayStation 5, PS4, XBOX Series X-S e XONE – cuja edição contou com inúmeras atualizações para se igualar ou até mesmo, superar a original.

Os efeitos especiais se interligam com à visceral troca de câmeras inteligentes muito bem posicionadas para cada situação, especialmente durante os momentos de transição do 2D para 3D, da mesma forma com que Sonic rasga o cenário numa velocidade alucinante! Isto é Sonic Colors Ultimate! Quer dizer, quase lá. (Como assim produção?)

Apesar da tentativa de manter a essência do herói azul que se tornou referência nos moldes dos clássicos em side-scrolling e mesclar corrida ininterrupta aos momentos de exploração; o ritmo de Sonic Colors Ultimate se desequilibra no velho dilema: a ideia do jogo é correr insanamente ou se preocupar em adquirir com calma todos os itens, pulando sobre traiçoeiras plataformas flutuantes que as vezes não são tão bem posicionadas como deveriam? As duas coisas, e sem anestesia (risos).

Nos momentos 3D em que a câmera é posicionada atrás do ouriço azul, este dilema é aveludado por um sistema de progressão “quase” automático manipulado pelo computador do jogo; em que por alguns segundos, você só precisa se preocupar em apertar para direita ou esquerda para desviar dos obstáculos.

Por mais que o ritmo do game transmita ao jogador uma sensação imediatista e se aproxima sutilmente da simplicidade dos clássicos, Sonic voltou mais incrementado que nunca!

SONIC-TRANS-FORMATION! 

Além das habilidades transportadas de “Sonic Unleashed” como descer ladeiras vertiginosas em alta velocidade (Bouncing), o Dash (quando o ouriço atinge uma velocidade incrível que distorce a tela, quando acumula a energia dos Wisps), e o deslize nas curvas mais fechadas, existe o pulo duplo e o Homing Attack (que só funciona quando Sonic está mirando em algum inimigo e deve ser usado apertando duas vezes o botão de pulo).

Os pequenos alienígenas que protagonizam o enredo dão à Sonic, estranhos poderes e transformações, que influenciam na maneira com que interagimos nos cenários perfurando o chão para atingir mundos submersos, destruindo passagens secretas, arraiando os céus na decolagem como um foguete, entre outras; já que as fases possuem diversos caminhos diferentes.

Quando um número de Wisps são encontrados, seus poderes podem ser usados como bem entender, mas de preferência em pontos específicos de cada fase. Embora os entusiastas torçam o nariz para a equipe de desenvolvimento Sonic Team que prometia não incluir tais mutações, admitimos que pela primeira vez, o conceito funciona muito bem em uma aventura do herói em 3D.

Os controles funcionam muito bem. Estranhamente, a edição do jogo para o Nintendo Switch não inclui algumas funcionalidades da tecnologia de giroscópio e sensores de movimentos, que poderiam ser herdadas da versão do Wii, já o Wii-Remote + Nunchuk e os JoyCons possuem os mesmos recursos.

A eclética trilha sonora acompanhada pelo excelente trabalho de sonoplastia, como por exemplo, da voz que dá vida ao Sonic na medida certa às instrumentais eletrônicas ou orquestradas, nos remete ao passado de ouro conquistado pela SEGA e a equipe de desenvolvimento Sonic Team, em que as composições mais simples permaneciam memoráveis ao pé do ouvido.

Portanto: ESQUEÇA A TRILHA SONORA REMASTERIZADA!!!

Conselho de amigo: antes de mergulhar nas fases desta obra, entre no Options e troque para a trilha sonora original!

Longevidade modulada.

Levando-se em conta que a durabilidade de Sonic Colors Ultimate depende do desempenho de cada jogador, para àqueles que almejam vencer 100% dos desafios pegando todos os 180 anéis vermelhos escondidos pelas fases e superar outros modos de jogo, a nova aventura de Sonic é relativamente longa.

O jogo também inclui um modo cooperativo para dois jogadores, que é cada um por si e confusão formada para todos. Para os que estão dispostos a vencerem todos os desafios, se preparem para futuras surpresas!

Gráficos/ Direção de arte: 10

Som e Efeitos sonoros: 9

Controles: 8

Diversão: 9

Criatividade: 10

Movimentação e Fluência: 8

Longevidade: 8

Média: 8,5